Mistérios orientais

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

Desapareceu pelo menos desde há duas semanas todo o conteúdo de um dos domínios do publisher IACSIT (International Association of Computer Science and Information Technology), que anunciava ser sediado em Singapura, mas tinha suas operações na China. A editora organizou em parceria com a Unicamp a 3ª ICCEA (Conferência Internacional de Engenharia Civil e Arquitetura), realizada no campus da universidade em 2014, e que foi assunto do post original deste blog na quinta-feira, dia 31/3 (“Questionada pelo MP sobre evento com editora suspeita, Unicamp abre sindicância”).

 

Sumiços anteriores

Apontada na lista dos publishers predatórios do  blog Scholarly Open Access, a IACSIT agora usa apenas um outro domínio que já possuía, mas sem referências a alguns eventos que organizava. Recentemente havia desaparecido também todo o conteúdo do site da série anual de conferências ICCEA. E já não há mais nenhuma referência à IACSIT no site do periódico IJET, no qual os trabalhos apresentados à conferência foram publicados sem qualquer menção a ela ou à Unicamp e dispersos em diferentes edições. O jeito é esperar a conclusão da sindicância que a reitoria acabou instaurando após oito meses de questionamento pelo Ministério Público.

 

Princípio de Precaução

O chamado Princípio de Precaução, que propõe abordagens para a avaliação e a gestão de riscos pelo uso de inovações tecnocientíficas, será discutido nesta segunda-feira das 14h às 17h no seminário “O Princípio da Precaução: Considerações Legais, Políticas e Econômicas – e suas Interações com os Resultados da Pesquisa Científica”, na sede do Instituto de Estudos Avançados da USP (ver programação). Promovido pelo Grupo de Pesquisa Filosofia, Sociologia e História da Ciência e Tecnologia do instituto e coordenado por Pablo Mariconda (Departamento de Filosofia, USP), o seminário poderá ser assistido ao vivo pela internet.

 

Mestrado Profissional

Estarão abertas de 25 de abril a 22 de maio as inscrições para as 100 vagas do Mestrado Profissional em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos, distribuídas entre as cinco instituições associadas: Faculdade de Engenharia da Unesp (Universidade Estadual Paulista), que é a coordenadora, e as universidades federais do Rio Grande do Sul (UFRGS) e do Espírito Santo (UFES) e dos estados do Amazonas, de Pernambuco (UFPE) e do Rio de Janeiro (UERJ). A criação do curso é resultado de um pedido à Capes feito pela ANA (Agência Nacional de Águas), que dará apoio financeiro e articulação com o Institute for Water Education, ligado a UNESCO (mais informações aqui).

 

Raio X florestal on-line

A Fundação SOS Mata Atlântica e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que anualmente atualizam seu “Atlas de Remanescentes Florestais da Mata Atlântica”, lançaram o Aqui tem Mata?, um aplicativo que permite acesso livre na internet a dados numéricos, mapas interativos, gráficos e outros tipos de informações sobre áreas remanescentes de florestas, mangues e restingas nos 3.429 munícipios brasileiros onde a Mata Atlântica existe ou um dia existiu. O aplicativo funciona em computadores, tablets e celulares por meio de busca pelo do município ou por CEP.

 

Atropelo

Iniciativas de acesso livre a informações como a Aqui tem Mata são muito importantes, não  porque muitos municípios são carentes não só de dados básicos para a proteção ambiental, mas também de interesse das autoridades nesse campo. Um lamentável exemplo é o da cidade de Ilhabela (SP). “Estou sendo exonerado por não concordar em assinar uma autorização de desmatamento (que é de competência do órgão estadual CETESB)” no local onde deve ser construído um  polo de educação, disse na quarta-feira (30/3) no Facebook o ex-secretário municipal André Miragaia (PV), do Meio Ambiente. Em nota ao site Nova Imprensa, o prefeito Antonio Colucci (PPS) negou a acusação, mas afirmou: “De fato temos pressa neste investimento”.

 

Impedimento

No início deste ano, a Fundação Florestal, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, expediu parecer técnico negativo para o Estudo de Impacto Ambiental do projeto da Sabesp de captação de água do Rio Itapanhaú, na Serra do Mar, para o sistema Alto Tietê, que abastece parte da grande São Paulo. Posteriormente, a fundação instituiu um grupo de trabalho para dar novo parecer. Antes mesmo de inaugurar o Direto da Ciência, este jornalista já havia recebido mensagens anônimas sugerindo esse tema como pauta, e voltou a receber novas sugestões com essa mesma finalidade, inclusive na forma de comentários que não foram e não serão aprovados. Essa pauta não será realizada por impedimento devido a conflito de interesses decorrente de relação familiar.


Apoie o jornalismo crítico e independente de Direto da Ciência

Você acha importante o trabalho deste site? Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

*

Top