Temer sinaliza que Ministério da Ciência e Tecnologia continua como moeda de troca

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

Não demorou muito para o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP)* mostrar que tratará o Ministério da Ciência, Tecnologia e Informação (MCTI) como mera moeda de troca, da mesma forma como tem procedido a presidente Dilma Rousseff (PT-RS) desde o início da campanha para a votação que os reelegeu em 2014. Embora na comunidade científica não deveria mais haver esperanças para a escolha de bons nomes, foi recebido muito negativamente o anúncio ontem (segunda-feira, 2/5) de que a pasta deverá servir de consolo para o PRB, e já com a indicação do nome do presidente do partido, Marcos Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus.

 

Estranhos no ninho

A nomeação de estranhos no ninho para a pasta já havia começado no início do primeiro governo Lula (2003-2006) com a indicação de Roberto Amaral (PSB-RJ), que começou sua gestão (2003-2004) s destacando na imprensa com sua opinião de que o Brasil deveria produzir tecnologia para armas nucleares. Na sequência, a negociação do MCTI como território do PSB foi mantida com a indicação do pernambucano Eduardo Campos (2004-2005), mas felizmente resultou na escolha do engenheiro eletrônico e físico Sérgio Rezende (PE), mestre e doutor pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), que permaneceu no cargo até o final do segundo mandato de Lula em uma gestão consistente e respeitada por grande parte da comunidade científica (2005-2010).

 

Reviravoltas

O PSB acabou perdendo o MCTI nas negociações de Dilma para sua primeira gestão, que começou com a nomeação de Aloizio Mercadante (PT-SP), outro nome que não tem nada a ver com a pasta. Passado pouco mais de um ano e meio (2011-2012), a ambição do petista pelo Ministério da Educação permitiu à presidente escolher Marco Antonio Raupp, ligado ao PMDB, que era então presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), ex-diretor-geral do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e ex-presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB).

 

Novos tropeços

Essa segunda gestão consistente do MCTI na era petista durou apenas de janeiro de 2012 a março de 2014. Apesar de não ser candidato às eleições, Raupp acabou sendo exonerado junto com outros ministros que estavam saindo para concorrer. O novo escolhido foi Clélio Campolina Diniz, reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) indicado por Fernando Pimentel (PT-MG), candidato a governador. Nove meses depois, em dezembro de 2014, entre os nomes do ministério do segundo mandato de Dilma surge o do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

 

‘Pegadinha’

Até ser confirmada como verdadeira, a notícia chegou a ser interpretada como “pegadinha” ou brincadeira de sites humorísticos devido ao histórico do deputado com referências anedóticas relacionadas à inovação e ao aquecimento global. No arranjo governamental para tentar conter a crise política que já ganhava força no ano passado, Dilma coloca Rebelo no Ministério da Defesa e nomeia para o MCTI o deputado Celso Pansera (PMDB-RJ), que deixou o cargo na semana anterior à votação do impeachment. A pasta está interinamente sob o comando da secretária-executiva Emília Ribeiro, nomeada por Rebelo por indicação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de quem ela era chefe de gabinete.

 

Bye-bye Brasil

Para marcar o quadro de desânimo em relação ao futuro da ciência e da tecnologia no Brasil, o jornalista Bernardo Esteves, da revista Piauí, anunciou em seu blog Questões da Ciência que irá embora do Brasil a neurociensta Suzana Herculano-Houzel, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), autora de estudos na área de neurologia que tiveram ampla repercssão internacional. De malas prontas para viajar para Nashville, no Tennessee (EUA), ela passará a trabalhar na Universidade Vanderbilt. O post antecipa algumas afirmações da pesquisadora para o artigo de despedida dela do país, que estará na edição deste mês da Piauí, no qual ela explica sua frustração por trabalhar no Brasil.

Não importa o quanto um cientista produza, o quanto se esforce, quanto financiamento ou reconhecimento público traga para a universidade – o salário será sempre o mesmo dos colegas que fazem o mínimo necessário para não chamar a atenção.

Desmatamento cresce na Amazônia

Foram detectados em fevereiro e março deste ano 213 km2 de desmatamentos na Amazônia Legal, o que corresponde a um aumento de 113% em relação ao mesmo período em 2015, segundo o Boletim Transparência Florestal, do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). A devastação se concentrou no Mato Grosso (81%) e teve menor ocorrência em Rondônia (9%), Amazonas (7%), Roraima (2%) e Pará (1%), de acordo com dados obtidos pelo projeto Sistema de Alerta de Desmatamentos (SAD) do instituto.

 

Devastação real é maior

A estimativa se refere apenas ao corte raso, ou seja não inclui áreas degradadas por queimadas e desmatamentos seletivos, que nos últimos 12 meses totalizaram 281 km2.  O acréscimo corresponde a 339% em relação a fevereiro e março do ano passado. A extensão real dessas áreas alteradas pode ser muito maior, pois os dados foram obtidos por meio do uso de imagens de satélites e em março 61% da área florestal da Amazônia Legal estava coberta por nuvens, segundo o relatório elaborado pelos pesquisadores Antônio Fonseca, Marcelo Justino, Carlos Souza Jr e Adalberto Veríssimo.

 

Congresso debate Código Florestal

Um relatório inédito sobre a implantação do chamado novo Código Florestal nos 17 estados com remanescentes de Mata Atlântica será discutido no Congresso Nacional amanhã (quarta-feira, 4/5) por iniciativa da Frente Parlamentar Ambientalista com apoio da Fundação SOS Mata Atlântica. A entidade defende o projeto de lei 3729/2004, de relatoria do deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), que tramita na Câmara dos Deputados. Também serão discutidos números e perspectivas do Cadastro Ambiental Rural (CAR), pelo Serviço Florestal Brasileiro, informou a Agência Câmara de Notícias.

 

Livros digitais gratuitos

A Editora Unesp disponibilizou em seu site 15 novos livros digitais download gratuito ou impressão sob demanda. A ação é resultado de uma parceria com a Pró-Reitoria de Pós-Graduação da Unesp e abrange obras de todas as áreas o conhecimento. Nesta terça-feira a editora lança outros 39 títulos do selo Cultura Acadêmica, que publica trabalhos de docentes, pós-graduandos e pós-graduados selecionados pelos conselhos de pós-craduação da universidade nas áreas de ciências humanas, letras, linguística, artes e ciências sociais e aplicadas.

 

Destaques na internet

Seleção de artigos, reportagens e outros textos publicados on-line desde a coluna de ontem.

Agência Brasil

Agência Fapesp

Agência Gestão de CT&I

Cofap Notícias

O Estado de S. Paulo

Folha de S.Paulo

Jornal da Ciência (SBPC)

MCTI – Notícias

The New York Times

Piauí

Scholarly Kitchen

Valor Econômico

*Corrigido às 12h09. No texto original havia sido digitado “PSDB-SP”.

Na imagem acima, Michel Temer chega a Vice-Presidência onde recebeu na segunda-feira (2/5) parlamentares e empresários Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


Apoie o jornalismo crítico e independente de Direto da Ciência

Você acha importante o trabalho deste site? Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

5 Comentários

  1. Pingback: BOLETIM ELETRÔNICO SBQ – N° 1219 – 05/05/2016 « TQF Site

  2. Raquel said:

    Temer é do PMDB de SP e não PSDB como diz no início da matéria

    • Maurício Tuffani said:

      Obrigado. Fiz a correção pelo celular às 12h09.

    • Maurício Tuffani said:

      Obrigado. Fiz a correção pelo celular às 12h09.

*

Top