Organizações Sociais de ciência estranham ‘cabeças-de-planilha’ do novo ministério

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

O novo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MTCIC), cujo titular é Gilberto Kassab (PSD-SP), ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro das Cidades do governo de Dilma Rousseff (PT-RS), já provocou estranhamentos entre as Organizações Sociais ligadas à pasta. Funcionários de três das seis OS, que pediram para não serem identificados, confirmaram ontem, quarta-feira (18/5), que as direções de suas instituições foram contactadas por telefonemas e por e-mails pelo gabinete do ministro pedindo informações sobre salários e também sobre cargos. O que incomodou, segundo as fontes, não foi o pedido dessas informações, mas a absoluta falta de interesse da pasta nesse contato por dados estratégicos, principalmente indicadores de desempenho.

 

‘Busca de cargos’

A sondagem deixou também a suspeita de que o ministério comandado por Kassab esteja buscando alternativas para contratar políticos. Uma quarta OS também teria sido contactada com a mesma abordagem pelo gabinete do ministro, segundo duas das fontes, mas Direto da Ciência não obteve confirmação com ninguém da própria entidade mencionada.

 

As entidades

As OS ligadas ao MCTIC são o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), ambas sediadas em Brasília, o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa) e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), ambos no Rio de Janeiro, o Centro Nacional de Pesquisas em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP),  e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), em Tefé (AM).

 

Outro lado

Contactado no início da noite de ontem por meio de sua assessoria de imprensa, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações não se pronunciou, certamente dificultado pelo adiantado da hora. Direto da Ciência fica à disposição para atualizar este mesmo espaço se a pasta vier a se manifestar sobre o assunto.

 

Dois exemplos do PMDB

Contrastando com organizações semelhantes de outros estados, que estão diminuindo seus repasses para a área de ciência e tecnologia — especialmente o do Rio de Janeiro, governado por Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ), mergulhado em dívidas decorrentes de sua irresponsável política de isenção fiscal para empresas  — a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapeal) anunciou ontem a liberação de R$ 8 milhões pelo governador Renan Filho (PMDB-AL) e a abertura de sete editais para apresentação de propostas de projetos de pesquisa.

 

Prioridades estratégicas

Fábio Guedes Gomes, diretor-presidente da Fapeal, afirmou por e-mail que apesar dos problemas fiscais e financeiros pelos quais passa Alagoas, o governo estadual tem realizado um esforço enorme para manter investimentos em áreas estratégicas e que a fundação além de ter cumprido os compromissos com convênios e acordos, tem sido ágil no trabalho de captação de recursos de agências como Capes, CNPq e Finep. “Por essa razão, os recursos da fundação cresceram de 2014 para 2016”, acrescentou Guedes, informando que em 2015, os repasses totais do governo com base na arrecadação foram de R$10.450,488, e que para 2016 a previsão é de R$ 11.988,788, ou seja, um acréscimo de 15%.

 

Temer, mire-se no exemplo

Alguém do PMDB precisa mostrar para o governo Temer não só esses números como exemplo, mas também a seguinte afirmação do diretor-presidente da Fapeal.

O governador Renan Filho compreende que o desenvolvimento econômico passa também por melhorias nas condições e infraestrutura para se produzir, inovar e avançar tecnologicamente no sentido de criar um ambiente produtivo para além dos segmentos tradicionais.

 

Mudança repentina de opinião

“Nada como um dia após o outro”, diz o colunista Lauro Jardim, de O Globo, informando que Marcelo Calero, nomeado para a recém-criada Secretaria Nacional da Cultura, participou na segunda-feira (16/5) de uma manifestação de protesto contra o rebaixamento do ministério que resultou no novo órgão (“Novo secretário de Cultura participou de reunião contra a extinção do MinC”).

 

Genoma sintético e secreto

Exceto pelo portal G1, das Organizações Globo, a chamada grande imprensa brasileira parece não ter se interessado pela reunião fechada no dia 10 deste mês na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, em que cientistas discutiram a produção de um genoma humano totalmente sintético. A informação foi revelada pelo repórter de ciência Andrew Pollack, do jornal The New York Times, em sua reportagem “Scientists Talk Privately About Creating a Synthetic Human Genome”, publicada na sexta-feira (13/5) e indicada na seleção de notícias de Direto da Ciência na segunda-feira (16/5), quando o G1 repercutiu a história sua reportagem “Harvard fez reunião fechada sobre genoma humano artificial, diz jornal”.

 

Destaques na internet

Seleção de artigos, reportagens e outros textos publicados on-line desde a coluna de ontem.

 

Agência Gestão de CT&I

Época

O Eco

O Estado de S. Paulo

Folha de S.Paulo

O Globo

Jornal da Ciência (SBPC)

The New York Times

Nexo

Notícias Socioambientais

Pesquisa Fapesp

Piauí

Retraction Watch

Scholarly Kitchen

Science

Valor Econômico

 

Na imagem acima, fachada do edifício do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Foto: Ascom/MCTI.


Apoie o jornalismo crítico e independente de Direto da Ciência

Você acha importante o trabalho deste site? Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

Um comentários;

  1. rb said:

    A questão é saber como alguns desses dirigentes se posicionaram com relação ao impeachment. Por exemplo, no site da fundação Perseu Abramo constam vários pesquisadores denunciando um suposto golpe contra Dilma. Se eles consideram que o processo do afastamento foi um golpe, faz sentido permanecerem com dirigentes de instituições de um governo “golpista”?

Comentários encerrados.

Top