Projeto de lei do Ciência sem Fronteiras não detalha origem de recursos, afirma SBPC

A bioquímica Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil.

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

O Senado acabou não votando ontem (22/6), deixando para a sessão desta quarta-feira, o projeto de lei 798/2015, de autoria da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática, que deverá definir os rumos do programa Ciência sem Fronteiras (CsF). Apesar de apoiar a iniciativa dos senadores, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) encaminhou ontem carta para eles reclamando da falta de detalhamento das fontes de financiamento previstas na proposta, solicitando maior detalhamento sobre a origem dos recursos a serem empregados. Destacando que esse tem sido o principal problema do CsF, a carta, assinada pela bioquímica Helena Nader, presidente da SBPC, afirma:

Se, no início, os recursos totais para o Ciência sem Fronteiras foram repassados diretamente do Tesouro, nos anos mais recentes uma parte expressiva de seus custos foi – de forma ilegal e desastrosa – bancada pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), o que provocou e vem provocando sérios problemas de financiamento a programas e projetos de pesquisa em todo o País.

 

De acordo

A reclamação da SBPC esteve em sintonia com “Internacionalização e inclusão social no Ciência sem Fronteiras” , publicado ontem no jornal Valor Econômico, do ex-presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Carlos Nobre, e a diretora de Relações Internacionais da agência, Concepta McManus. No texto, eles afirmaram que para o Ciência sem Fronteiras, além de garantir maior participação de financiamento privado, é necessário também

(…) definir orçamentos específicos que não se apropriem do financiamento básico do sistema de ciência, tecnologia e inovação, lembrando que uma das críticas pertinentes foi a de que parte das verbas do mais importante fundo público de financiamento de pesquisas do país, o FNDCT, foi direcionada aos alunos de graduação-sanduíche do CsF.

 

Números

O programa, iniciado em 2011, completou neste ano sua primeira fase, tendo enviado 73.353 alunos de graduação para um ano acadêmico para 2.912 universidades de 54 países, afirmaram Nobre e McManus, destacando sobre essas instituições que 182 estão entre as 200 melhores universidades do mundo no Shanghai Ranking: Academic Ranking of World Universities. Os autores ressaltaram  também o aumento da mobilidade internacional de estudantes e pesquisadores brasileiros “de uma média anterior ao CsF em torno de 5 mil por ano para mais de 40 mil em 2015”.

 

Metas

O texto do projeto de lei não prevê metas, que deverão ser definidas pelo regulamento do Ciência sem Fronteiras. Sobre isso, Nobre e McManus propuseram em seu artigo que o programa passe a limitar a 15 mil por ano o número de alunos beneficiados, mas que também envie os participantes “para um número bem menor de universidades, mas todas de ponta”, além de que “a preparação em outro idioma deve ser feita previamente, no Brasil”.

 

Críticas

Além do artigo de Nobre e McManus, vale a pena ler também o editorial “Ciência sem critérios”, da Folha, na semana passada (21/6), baseado nos dados da reportagem “Ciência sem Fronteiras põe só 3,7% dos alunos em instituições ‘top’”, da jornalista Sabine Righetti, publicada no dia anterior. Mais antiga, mas ainda interessante é a série de reportagens de 2014 de Ocimara Balmant e David Lira, do Ig.

 

Semana atípica

Nesta semana, devido a reformulações no gerenciamento de seu servidor a serem concluídas ainda hoje e à participação em período integral deste editor a partir de amanhã no 11º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, organizado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Direto da Ciência reduzirá seu conteúdo habitual diário, mas manterá pelo menos a seleção de destaques na internet. Agradecemos pela atenção dos leitores.

 

Destaques na internet

Seleção de artigos, reportagens e outros textos publicados on-line desde a coluna de ontem.

For Better Science

O Estado de S. Paulo

Folha de S.Paulo

G1

O Globo

InforMMA

Jornal da Ciência (SBPC)

MCTI – Notícias

Nature News

The New York Times

Observatório do Código Florestal

Pesquisa Fapesp

Retraction Watch

Scholarly Open Access

Science

SOS Mata Atlântica

Valor Econômico

 

Na imagem acima, a bioquímica Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil.


Apoie o jornalismo crítico e independente de Direto da Ciência

Você acha importante o trabalho deste site? Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

*

Top