Alemanha, Peru e Taiwan não negociam acesso a periódicos da Elsevier

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

O grupo editorial holandês Elsevier, líder mundial no segmento de ciência, tecnologia e saúde, pode começar 2017 sem acordo para acesso online às suas publicações com instituições da Alemanha, do Peru e de Taiwan. Instituições acadêmicas desses países, responsáveis pela manutenção de serviços semelhantes ao do Portal de Periódicos da Capes, não concordam com os custos cobrados pelo publisher e estão dispostas a não ceder, mesmo que isso gere dificuldades para suas universidades e centros de pesquisa.

“É muito desagradável. Mas nós simplesmente não podemos aceitar o que a Elsevier propôs até agora”, disse à Nature News na semana passada Horst Hippler, porta-voz do consórcio Projekt DEAL, que reúne universidades e instituições de pesquisa com financiamento público da Alemanha e supervisiona as negociações no país.

Além da redução de custos, as instituições acadêmicas alemãs também querem que todos os artigos científicos de seus pesquisadores publicados por títulos da Elsevier estejam em acesso aberto, informaram os jornalistas Quirin Schiermeier e Emiliano Rodríguez Mega em sua reportagem “Cientistas da Alemanha, Peru e Taiwan perdem acesso a periódicos da Elsevier”, na Nature News.

As negociações entre a Elsevier e o Projekt DEAL terminaram em dezembro sem acordo, mas poderão ainda ser retomadas em janeiro. Em Taiwan, no entanto, mais de 75% das universidades, inclusive as 11 principais instituições do país, aderiram a um boicote coletivo contra Elsevier, segundo a reportagem.

No Peru, onde o governo teria pago à Elsevier cerca de US$ 10 milhões para os últimos três anos, a partir de 2017não haverá acesso on-line com financiamento público às publicações do grupo editorial holandês. “Não estou preocupado. Baixar paper é bastante fácil agora com o Sci-Hub “, disse à Nature News um biólogo de plantas que não quis ser identificado.

A Elsevier edita atualmente 2.953 títulos de periódicos acadêmicos. O impasse entre entre o gigante editorial e o Projekt Deal também foi noticiado pela revista norte-americana Science na reportagem “Milhares de pesquisadores alemães perderão acesso a periódicos da Elsevier” (22/dez), de Gretchen Vogel.

No Brasil, a negociação não foi fácil para 2016. Após meses de negociações com os grandes publishers científicos internacionais, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação, conseguiu reduzir de US$ 105 milhões para US$ 85 milhões seu desembolso total para este ano, conforme noticiou este blog em maio (“Capes negocia redução de US$ 20 milhões em contratos e mantém Portal de Periódicos”).

No início deste ano, o receio de descontinuidade ou de alterações negativas no funcionamento do Portal de Periódicos cresceu a partir dos anúncios de cortes drásticos de recursos no Orçamento da União. Em dezembro de 2015, a presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, já havia enviado carta ao então ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT-SP), destacando que

o Portal cumpre rigorosamente a sua finalidade precípua ao ser amplamente utilizado por nossos docentes e pesquisadores e estudantes de graduação e de pós-graduação no seu dia a dia de trabalho acadêmico ou científico. Em 2014 foram mais de 100 milhões de acessos ao Portal ou seja, 274 mil acessos e downloads por dia!

A Capes informou que para 2017 estão previstos no Projeto de Lei Orçamentária R$ 402,9 milhões para o Portal de Periódicos. Esse valor é 16,9% maior que os US$ 105 milhões que foram pagos em 2015 e, depois de serem mantidos inicialmente para 2016, foram renegociados para US$ 85 milhões [atualização das 16h20]

[Tabela inserida às 18h, publicada originalmente em “Capes negocia redução de US$ 20 milhões em contratos e mantém Portal de Periódicos” (18/mai)].

Destaques na internet

Seleção de artigos, reportagens e outros textos publicados on-line desde sexta-feira (23/dez).

 

Blog do Pedlowski

Correio Braziliense

Época

O Estado de S. Paulo

Folha de S.Paulo

G1

O Globo

MCTI – Notícias

Nature News

The New York Times

Notícias Socioambientais

Observatório do Clima

Retraction Watch

Science

UOL

Valor Econômico

 

Na imagem acima, biblioteca da Universidade de Ciências Aplicadas de Eberswald, na Alemanha. Foto de Marcela, licenças GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) e CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons.


Apoie o jornalismo crítico e independente de Direto da Ciência

Você acha importante o trabalho deste site? Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

6 Comentários

  1. Pingback: #BOAI15, 15 Anos da Iniciativa de Budapeste pelo Acesso Aberto – Ciência Aberta

  2. Pingback: Países rejeitam política de acesso do maior conglomerado científico do mundo – Abrasco

  3. Pingback: Organismos nacionais de diversos não negociam … – Grupo de Pesquisa Publicações Eletrônicas

  4. Pingback: Organismos nacionais de diversos não negociam … – Grupo de Pesquisa e Publicações Eletrônicas

  5. Paulo. C. Santos said:

    Eu bulo esse sistema cruel de pagamento. Uso o Sci-Hub! Simplesmente!

  6. Nagib Nassar said:

    Muito boa reportagem, Mauricio e excelente contribuição à ciência no Brasil e instituições científicas do Brasil como sempre faz. Espero que sua alerta chegue aos ouvidos responsáveis pela CAPES
    Não é a premiera noticia sobre esse abuso da Elsevier. Dois anos atrás, outra notícia documentou mais um abuso em cobrança de taxa absurda.

Comentários encerrados.

Top