Ideia de fusão de institutos é ‘temerária’, diz associação de pesquisadores

Carta aberta de entidade criticou também tentativa de venda do prédio do Instituto Geológico pelo secretário estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo


MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

A Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) publicou em seu site carta aberta em que critica a proposta de fusão dos três institutos da Secretaria do Meio Ambiente do Estado (SMA), o de Botânica (IBt), o Florestal (IF) e o Geológico IG). O documento se posicionou também contra a tentativa, do secretário estadual Ricardo Salles, de vender o prédio da sede do IG, considerada de “risco inaceitável” pela Consultoria Jurídica da própria SMA.

As notícias da ideia de fusão dos três institutos da SMA e da tentativa da venda do imóvel da sede do IG foram divulgadas no domingo (30/jul) com exclusividade por Direto da Ciência.

A ideia de Salles é “promover uma sinergia” para priorizar investimentos na atividade fim de pesquisa dos três institutos e enxugar recursos nas atividades meio, que são as administrativas. Segundo o secretário, os três institutos têm muita sobreposição em suas atividades, principalmente nas áreas administrativas, com as de recursos humanos, finanças e compras. Ele disse também que a maior parte dos orçamentos dos três órgãos se concentra em atividades administrativas, em vez de ir para a atividade-fim de pesquisa.

Na carta aberta, a diretoria da APqC afirma:

Não somos contra a maior sinergia entre os institutos, principalmente na questão administrativa, porém as áreas de pesquisa são sensíveis e exigem muito cuidado. Todos os laboratórios construídos dentro dos institutos demandaram investimentos altíssimos por parte do Estado, além de tempo para serem implementados. São laboratórios em uso com instalações apropriadas e diversas pesquisas em andamento. A APqC considera temerária a ideia de fundir três instituições, que dependem de suas estruturas próprias, em um único local.

Procurada por meio de sua assessoria de imprensa no início da manhã de ontem (segunda-feira, 31/jul), a Secretaria do Meio Ambiente não se pronunciou sobre a carta da APqC até o fechamento desta reportagem às 18h45.

 

Resposta do secretário (21h32)

O secretário Ricardo Salles entrou em contato por telefone com Direto da Ciência e, com relação à cata aberta da Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo, afirmou que respeita a entidade e compreende seu papel de expressar as vozes descontentes. E reiterou que a proposta unificação dos institutos de Botânica, Florestal e Geológico será discutida com os pesquisadores desses órgãos.

Confira a íntegra da

“Carta aberta da Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo – Sobre a tentativa de venda do prédio do Instituto Geológico e possível fusão das três instituições da pasta da Secretaria do Meio Ambiente”.

Leia também:

Na imagem acima, entrada do Parque Estadual Alberto Löfgren, mais conhecido como Horto Florestal de São Paulo, na zona norte da cidade, onde está a sede do Instituto Florestal. Foto: Instituto Florestal/Divulgação.

Apoie o jornalismo crítico e independente de Direto da Ciência

Você acha importante o trabalho deste site? Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

*

Top