Marcha Pela Ciência precisa dizer #vemprarua para os próprios cientistas

Cultura da ‘torre de marfim’ limita alcance de manifestações contra cortes de recursos para a pesquisa


MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

Apesar da ampla divulgação sobre os cortes de recursos para ciência e tecnologia e dos posicionamentos oficiais de associações científicas, a comunidade de pesquisadores brasileiros não tem se mobilizado efetivamente para pressionar a política do governo para o setor. Professores, pesquisadores e pós-graduandos podem até acreditar que por meio das redes sociais, de manifestações internas e paralisações estão fazendo sua parte para mudar a situação. Mas não estão.

Essa mobilização insuficiente ficou mais uma vez evidente no sábado (2). Organizada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a 2ª Edição da Marcha Pela Ciência no Brasil foi prevista inicialmente para acontecer no Rio de Janeiro e teve também eventos agendados para São Paulo, Brasília, Porto Alegre e São Luís, do Maranhão.

No entanto, os eventos da Marcha não tiveram um mínimo da adesão que se deveria esperar em função do alto grau de instrução da comunidade prejudicada. Não bastassem também como fator de mobilização os prejuízos já ocorridos com projetos de pesquisa e amplamente noticiados, no próprio sábado repercutia a notícia da proposta do governo de cortar pela metade os recursos para a área de ciência e tecnologia, prevista no projeto de Lei do Orçamento da União para 2018, enviado dois dias antes para o Congresso Nacional.

 

Baixa visibilidade

No final das contas, nem sequer foi reportado no jornal O Globo o evento principal, o do Rio de Janeiro, que segundo a SBPC teria envolvido cerca de mil pessoas. Na verdade, a manifestação não foi uma marcha, mas uma reunião em local público durante a tarde com apresentações musicais e trabalhos de divulgação em barracas de entidades.

O ato no Rio foi mencionado apenas secundariamente em reportagens do Estadão e da Folha, que destacaram a manifestação de São Paulo, onde um número menor de participantes experimentou o impacto de uma passeata na Avenida Paulista.

 

Que fazer?

A falta de familiaridade dos acadêmicos com o potencial desse tipo de mobilização ficou evidente no evento da capital paulista, ao se alcançar o número de cerca de 200 participantes no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Num primeiro momento, mesmo após a Polícia Militar ter oferecido escolta para passeata, os participantes inicialmente decidiram, “para não atrapalhar o trânsito”, permanecer na calçada para exibir faixas e cartazes.

Minutos depois, uma habilidosa interferência de representantes da Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG) mudou o rumo da manifestação. O protesto seguiu em passeata pela faixa de ônibus até o edifício onde está o escritório da Presidência da República em São Paulo, também na Avenida Paulista. Entoando palavras de ordem – como “vem para rua pela ciência” –, os manifestantes atraíram a atenção de muitas das pessoas que passavam.

 

Baixa adesão

As dificuldades enfrentadas para organizar o evento de sábado em São Paulo foram comentadas ontem, domingo (3), pelo biólogo e divulgador de ciência Roberto Takata em seu blog Gene Repórter. De fato, como ele observou, foi muito curto o tempo de quatro dias para organizar o evento. No entanto, nem mesmo esse fato justifica a baixa adesão aos eventos de sábado em face da gravidade da situação e da falta de necessidade de explicá-la para mobilizar cidadãos com o nível de instrução dos pesquisadores.

São da ordem de centenas de milhares os profissionais diretamente afetados em suas atividades pelos cortes de recursos em C&T. Em 2016,  havia no Brasil cerca de 200 mil pesquisadores, dos quais aproximadamente 130 mil com título de doutor, segundo o Censo do Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil (DGP), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).  Grande parte desse contingente atua também no ensino superior, que em 2016 contava com cerca de 384 mil docentes, segundo o Censo da Educação Superior do MEC.

 

São só 0,72%

Em que pese o panorama geral referente às contas do governo federal para este ano, com o previsível déficit primário da ordem de R$ 159 bilhões, é preciso deixar claro que a dotação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para 2017 corresponde a apenas 0,72% do valor previsto na Lei Orçamentária para toda a União, já descontadas as transferências para estados e municípios, as operações de crédito e o refinanciamento da dívida pública. É sobre essa minúscula parte do Orçamento da União que o governo pretende aplicar o corte de 50%.

Mesmo sem o atual cenário de crise política, não bastariam manifestos, abaixo-assinados e eventos internos para sensibilizar o governo e a classe política. Além de manifestações públicas diretamente nas ruas, há várias formas civilizadas e pacíficas de pressão sobre diversas instâncias de poder. Mas elas exigem presença.

No entanto, ao que parece, a palavra de ordem #vempraruapelaciencia ainda está na fase de sensibilizar os próprios pesquisadores para o fato de que a cultura da “torre de marfim” limita o alcance de seus protestos.

Em tempo: a jornalista Sabine Righetti postou no Twitter “Dez coisas que poderiam ser feitas para a próxima Marcha pela Ciência”.

Leia também:

Na imagem acima, manifestantes da 2ª Edição da Marcha Pela Ciência no Brasil, em final de passeata na Avenida Paulista, em São Paulo, em frente ao edifício onde está o escritório da Presidência da República na cidade, no sábado (2/set). Foto: Maurício Tuffani/Direto da Ciência.

Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. E conteúdo exclusivo e de alta qualidade exige competência e também investimento para ser produzido. Conheça o compromisso de Direto da Ciência com essa perspectiva de trabalho jornalístico e com seus leitores. (Clique aqui para saber mais e apoiar.)


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

7 Comentários

  1. Pingback: Ano 5 – Nº 173 / quarta-feira, 06 de setembro de 2017 – Jornal Pensar a Educação em Pauta

  2. Pingback: C&T 173 – Jornal Pensar a Educação em Pauta

  3. Pingback: Acontecendo agora: Marcha Pela Ciência precisa dizer #vemprarua para os próprios cientistas via /r/brasil | alinegarciadias

  4. Diogo said:

    Eu estive nas duas marchas de São Paulo. Na nossa atual sociedade midiática, é perceptível que o que a maioria busca individualmente são os holofotes, mais do que a genuína vontade de construir uma sociedade melhor para todos. Isto reflete a baixa adesão inclusive de nós, cientistas, pessoas ditas “diferenciadas”. Acho que nosso verdadeiro “mal do século” é pensar em si próprio como se não houvesse o amanhã nem o coletivo. No mais, é depender de uma publicação em algum artigo na Nature ou na Science discutindo sobre algo que acontece aqui no Brasil e que não somos capazes nem de discutir localmente. Ai talvez, depois dessas top publicações, consigamos argumentos para convencer que realmente ciência é investimento e não gasto.

  5. Marcos said:

    Eu estava na marcha e também achei que a adesão foi pequena, mas admito eu só soube da marcha pois uma vizinha me convidou. No meu laboratório, nenhuma das 8 pessoas com quem comentei o evento hoje pela manhã sabia da sua existência (e isso envolve pessoas da UNICAMP e USP). A organização da marcha foi louvável, mas a comunicação (divulgação e mesmo entre os organizadores) deixou a desejar. Talvez isso explique a baixa adesão.

  6. Marcos Napolitano said:

    Finalmente um formador de opinião com trajetória respeitável no jornalismo dá o chacoalhão que a comunidade científica vinha merecendo há muito tempo. Parabéns por esse artigo e também por mostrar o “chute” de Sardenberg sobre o financiamento da pesquisa em outros países e especialmente em Israel.

  7. Roberto Leite said:

    As universidades públicas já são irrelevantes para a formação de profissionais faz muito tempo. As principais como a USP e a UNICAMP estão deficitárias e a solução certamente não é mais dinheiro público.

    http://www.brasil.gov.br/educacao/2014/09/ensino-superior-registra-mais-de-7-3-milhoes-de-estudantes

    Entre os alunos de graduação, 5.373.450 – aproximadamente 71,4% – estão vinculados a instituições de ensino superior privadas. Dentre os estados brasileiros, cinco têm mais alunos matriculados em instituições públicas do que em instituições privadas: Santa Catarina, Paraíba, Tocantins, Pará e Roraima. Em São Paulo, há cinco matriculados na rede privada para cada aluno na rede pública.

Comentários encerrados.

Top