Boletim de Notícias: MCTIC decide não repassar bloqueio de 10% para institutos

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) decidiu não repassar para as unidades de pesquisa nem para o CNPq os efeitos do contingenciamento de R$ 477,2 milhões das despesas discricionárias do órgão, correspondentes a cerca de R$ 4,6 bilhões. A decisão foi anunciada em reunião da cúpula do ministério na tarde de ontem, terça-feira (6).

Além do CNPq e dos 15 institutos do MCTIC, as seis organizações sociais da pasta – entre elas o Centro Nacional de Pesquisa de Energia e Materiais (CNPEM), que realiza o Projeto Sirius, o maior empreendimento da ciência brasileira – também deverão escapar do bloqueio, que corresponde a 10,4% da disponibilidade orçamentária do ministério.

Estabelecido por decreto do presidente Michel Temer publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União na noite de sexta-feira (2), o contingenciamento de R$ 16,2 bilhões para todo o Executivo federal já era aguardado com apreensão pelos centros de pesquisa do MCTIC e também a comunidade científica. Na Lei Orçamentária Anual de 2018 (LOA 2018), os recursos para a pasta já haviam sido reduzidos em cerca de 25% em relação ao ano anterior.

Na manhã do mesmo dia em que o governo estabeleceu o congelamento, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a Academia Brasileira de Ciências (ABC) e outras entidades já haviam encaminhado a Temer e aos ministros Gilberto Kassab (MCTIC), Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento, Desenvolvimento e Gestão) a carta aberta “Orçamento de CT&I: O País não suporta novos contingenciamentos!”.

 

Os números

Procurado por Direto da Ciência por meio de sua assessoria de imprensa, na noite de ontem o MCTIC confirmou a decisão de não repassar para as instituições de pesquisa o bloqueio de 10,4% de seus recursos para despesas discricionárias e também para parte da sua dotação para projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em nota, o ministério afirmou que

mesmo num cenário de contingenciamento em torno de 10%, neste primeiro momento, as unidades de pesquisas e as organizações sociais terão seus orçamentos estabelecidos na LOA (Lei Orçamentária Anual) respeitados. Mesmo assim, o MCTIC continuará junto à Fazenda e ao Planejamento, trabalhando pela recomposição orçamentária na medida do crescimento das receitas do governo federal durante o ano. O Ministério ressalta ainda o papel da pesquisa científica, imprescindível para o desenvolvimento econômico e social de qualquer país, como demonstra a história.

Não participaram da reunião de ontem o ministro Kassab nem os dirigentes das unidades de pesquisa. A autoridade de maior grau hierárquico do MCTIC presente ao encontro foi o secretário-geral Elton Santafé Zacarias.

O MCTIC encaminhou também a tabela demonstrativa, apresentada a seguir, dos valores contingenciados e liberados, comparando-os com os do ano passado. É importante destacar que os dados desse quadro para 2017 se referem somente ao final do ano, durante o qual, de março a agosto, o congelamento chegou a atingir cerca de 55,3% da disponibilidade orçamentária do órgão.

Fonte: MCTIC

 

‘Iniciativa positiva’

Sob condição de anonimato, o diretor de um dos institutos federais de pesquisa afirmou que é positiva a decisão do MCTIC, mas que mesmo com ela este ano será difícil. E acrescentou que é preciso estar atento para o risco de um novo contingenciamento ainda neste ano, como aconteceu em 2017, mesmo com a promessa do ministro do Planejamento de que isso não acontecerá novamente.

O físico Ildeu Moreira, presidente da SBPC, afirmou que vê como “positiva” a iniciativa do MCTIC e que espera que ela sinalize “uma ação articulada para buscar a reversão deste contingenciamento de modo que tais recursos sejam repostos”. De acordo com o presidente da entidade, “os institutos do MCTIC têm sido profundamente atingidos, assim como o CNPq que, por exemplo, não pagou ainda parte do Edital Universal de 2016, não o lançou em 2017”.*

Moreira destacou ainda que a decisão do MCTIC não impedirá o bloqueio de afetar outros programas e açõesespecialmente nas secretarias do próprio ministério e o apoio a projetos importantes para as demais instituições cientificas, universidades e empresas de base tecnológica. E ressaltou: “Estamos falando de um orçamento que já sofrera cortes drásticos em relação aos anos anteriores. A comunidade científica tem lutado, e continuará a fazê-lo neste ano, para a reversão deste retrocesso”.*

(Texto atualizado às 9h25 com o acréscimo dos dois parágrafos finais.)

Leia também as reportagens:

Após o Boletim de Notícias de ontem, Direto da Ciência publicou

A seguir, os títulos e links das principais matérias sobre ciência, meio ambiente e ensino superior desde nossa edição de ontem.

Boa leitura.

Na imagem acima, portaria principal do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São José dos Campos (SP). Foto: Inpe/Divulgação.

 

Agência Fapesp

Amazônia Real

BBC Brasil

Blog do Pedlowski

Carlos Orsi

ClimaInfo

Deutsche Welle

O Eco

El País

Envolverde

Estadão (O Estado de S. Paulo)

Folha.com (Folha de S.Paulo)

O Globo

The Guardian

Inside Climate News

Jornal da Ciência (SBPC)

MCTIC – Notícias

Nature News

New Scientist

The New York Times

Nexo

Notícias SOS Mata Atlântica

Observatório do Clima

Pesquisa Fapesp

Retraction Watch

The Scholarly Kitchen

SciELO em Perspectiva

Science

Scientific American

USP

The Washington Post


Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. Com seu apoio produziremos mais análises e reportagens investigativas. Clique aqui para apoiar.


Receba avisos de posts de Direto da Ciência.

Informe seu e-mail para receber avisos. Ele não será fornecido a terceiros.

Para sua segurança, você receberá uma mensagem de confirmação. Ao abri-la, basta clicar em Confirmar, e sua inscrição já estará concluída. Você sempre poderá, se quiser, cancelar o recebimento dos avisos.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

Top