Mapa mostra que 40% de áreas agrícolas do mundo são de pequenos produtores

Propriedades com menos de 2 hectares para contribuem mais do que se pensava para alimentação global, segundo projeto de ‘ciência cidadã’

FÁBIO DE CASTRO

Um projeto com a colaboração de pessoas não especializadas para produzir conhecimento científico reuniu dados globais inéditos e mostrou que a proporção de pequenas propriedades rurais é muito maior do que se imaginava, correspondendo a cerca de 40% das áreas agrícolas do mundo. Estimativas anteriores sugeriam que a proporção fosse de 12% a 24%.

A contribuição dos pequenos proprietários para a produção global de alimentos também é maior do que se pensava, segundo os autores do estudo, do Instituto Internacional para Análise Aplicada de Sistemas (IIASA, na sigla em inglês),.

Na definição dos pesquisadores, as pequenas propriedades rurais são aquelas com menos de dois hectares. Já se suspeitava que os pequenos agricultores dão uma contribuição substancial à produção mundial de alimentos, mas até agora os dados sobre a distribuição dessas propriedades eram desconhecidos, segundo a autora principal do estudo, Myroslava Lesiv.

 

Informação confiável

O estudo é o primeiro a estimar a extensão das fazendas em nível global, continental e nacional, cobrindo todo o planeta, disse Myroslava. Estudos anteriores apresentavam dados sobre 55 países, apenas. Os novos dados são os mais densos e detalhados já coletados e a extensão dessa coleta só foi possível por conta do método colaborativo de obtenção dos dados, segundo a pesquisadora, que acrescentou:

Nós preenchemos as lacunas nas informações disponíveis sobre a distribuição do tamanho dos campos no mundo, incluindo países onde não haviam sido realizados levantamentos, nem mapeamentos com a ajuda de sensoriamento remoto. Agora, os dados sobre as dimensões das propriedades que desenvolvemos fornecem informação confiável sobre a distribuição dos campos, a fim de apoiar políticas públicas relacionadas à segurança alimentar.

Os dados obtidos pelo projeto colaborativo estão disponíveis gratuitamente para o uso em futuras pesquisas, disse a pesquisadora.

A campanha de financiamento coletivo teve início em junho de 2017, pelo aplicativo Geo-Wiki. Ela durou um mês e teve foco na coleta de dados sobre o tamanho das fazendas. O aplicativo utiliza imagens de satélite de alta resolução do Google Maps e do Microsoft Bing e permite que os usuários avaliem visualmente imagens de áreas agrícolas.

 

Controle de qualidade

No projeto, os pesquisadores pediram aos usuários que definissem os tamanhos dos campos presentes, utilizando uma grade de estimativas, ou uma ferramenta de medição de áreas. Um “campo” foi definido como uma área agrícola fechada, incluindo terras aráveis ou de pastagens, separados por estradas, caminhos ou vegetação.

Os usuários podiam escolher entre cinco categorias: muito grande (mais de 100 hectares), grande (a partir de 16 hectares), médio (a partir de 2,5 hectares), pequeno (a partir de 0,6 hectare) e muito pequeno (menos de 0,6 hectare).

Cada imagem era verificada por três usuários. Todos eles foram treinados previamente para utilizar o aplicativo por meio de vídeos e slides, que serviram como imagens de “controle”. Cada vez que faziam uma avaliação errada, os usuários recebiam um retorno, a fim de aprimorar um controle de qualidade das avaliações.

No levantamento, foram coletadas 130 mil amostras. Os pesquisadores utilizaram as mais de 390 mil classificações para criar um mapa e calcular as proporções das áreas agrícolas em nível global, continental e nacional.

As dimensões dominantes dos campos variaram muito entre os países. Nações africanas como a Etiópia, o Mali, a Nigéria e a Tanzânia, além de países asiáticos como a China, a Índia e a Indonésia, tendem a possuir propriedades rurais “muito pequenas”.

Os grandes latifúndios, classificados como campos “muito grandes”, predominam em países como o Brasil, Austrália, Estados Unidos e Casaquistão. Em algumas áreas como o norte da China, a Índia central e a Turquia, os tamanhos das propriedades são extremamente variáveis.

Na imagem acima, Mapa de propriedades agrícolas do Instituto Internacional para Análise Aplicada de Sistemas (IIASA). Imagem: IIASA/Divulgação.

Siga Direto da Ciência no Twitter e no Facebook.


Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. Com seu apoio produziremos mais análises e reportagens investigativas. Clique aqui para apoiar.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

*

Top