Bolsonaro recebe ex-secretário de Alckmin que desarticulou política ambiental de SP

Réu em ação judicial por improbidade, Ricardo Salles fez nomeações político-partidárias para chefias de unidades de conservação.

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que deve anunciar ainda hoje o ministro de Meio Ambiente de seu governo, recebeu na tarde de ontem o advogado Ricardo de Aquino Salles, do Partido Novo, que foi secretário particular (2013-2014) do então governador Geraldo Alckmin (PSDB) e seu secretário do Meio Ambiente (2016-2017), informou o jornal O Estado de S. Paulo.

A reportagem do Estadão afirmou que “a favor do advogado, aliados de Bolsonaro disseram que ele [Ricardo Salles] reduziu o número de cargos políticos, enxugando a secretaria [do Meio Ambiente]”. Na verdade, Salles foi constantemente criticado por pesquisadores e por ambientalistas por tomar decisões sem levar em consideração aspectos técnico-científicos e por contratações de políticos para chefias de unidades de conservação, entre outros motivos.

Salles deu início a um estilo de gestão marcado por confrontos públicos com técnicos da pasta, ambientalistas, pesquisadores e promotores de Justiças. Além de bloqueios de pagamentos de serviços que já haviam sido contratados – inclusive para elaboração de planos de manejo – , Salles determinou cortes de despesas e transferências de pessoal que inviabilizaram o funcionamento de alguns setores, gerando descontinuidade na política ambiental do estado.

A permanência de Salles na Secretaria do Meio Ambiente (SMA) foi desgastada principalmente desde o início de 2017, quando ele se tornou réu em uma ação civil pública do MP estadual sob a acusação de ter alterado ilegalmente o zoneamento da proposta de plano de manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê.

 

‘Risco inaceitável para o Estado’

No início de agosto de 2017, o MP abriu inquérito por Salles ter dado andamento a uma proposta de negociação do imóvel da sede do Instituto Geológico, na capital, apesar de parecer de sua própria Consultoria Jurídica que considerou a iniciativa “de risco inaceitável” para o estado. Em outro inquérito, o secretário passou a ser investigado por ter realizado chamamento público, sem autorização legislativa, para a concessão ou venda de 34 áreas do Instituto Florestal.

Salles pediu demissão no final de agosto de 2017, mas sua saída era esperada desde junho, quando a coluna Expresso, da revista Época, publicou a nota “Alckmin demitirá secretário do Meio Ambiente”. A nota afirmou que, preocupado com a disputa presidencial de 2018, o governador recomendou ao deputado federal Guilherme Mussi, presidente estadual do PP em São Paulo, para indicar outro integrante de seu partido para o cargo. Em 2016, Salles apareceu em vídeos de propaganda político-partidária do PP.

Ex-diretor jurídico da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Salles foi fundador do Movimento Endireita Brasil, agremiação político-ideológica criada em 2011 para “corrigir” o que ele e seus companheiros chamaram de “demonização da direita no Brasil”.  Rompido com o PP, pelo qual se candidatou sem sucesso a deputado estadual em 2010, Salles ingressou no Partido Novo, pelo qual se candidatou a deputado federal neste ano.

A reportagem não teve resposta de Ricardo Salles aos contatos por meio de mensagens a telefones e do WhatsApp.

Na imagem acima, o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), na cerimônia de nomeação de seu secretário do Meio Ambiente, Ricardo Salles (PP), em 18 de julho de 2016. Imagem: Governo do Estado de São Paulo/Canal do YouTube/Reprodução.

Siga Direto da Ciência no Twitter e no Facebook.

Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. Com seu apoio produziremos mais análises e reportagens investigativas. Clique aqui para apoiar.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

*

Top