Plano do MEC para filosofia e sociologia é inútil, ilegal e grotesco

Ideia anunciada por Bolsonaro mostra que governo desconhece leis e o funcionamento do ensino universitário.

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor
Sábado, 27 de abril de 2019, 14h03.

Anunciado ontem, sexta-feira (26) pelo presidente Jair Bolsonaro pelo Twitter, um plano em estudo pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, para reduzir custos com cursos de filosofia e sociologia provocou reações rápidas, acuradas e contundentes de especialistas, deixando claro que a ideia é completamente descabida e sem sentido.

Na sua edição deste sábado, a Folha de S.Paulo publicou o artigo “Proposta de esvaziamento das humanas é equivocada e fere a Constituição Federal”, escrito pela jornalista especializada em educação Sabine Righetti, que é pesquisadora-docente da Unicamp e coordenadora do Ranking Universitário da Folha (RUF), e pela jurista Nina Ranieri, professora de direito público da USP, onde é também coordenadora da Cátedra Unesco de direito à Educação da Faculdade de Direito.

As autoras esclarecem que “proposta de redução de investimentos do MEC em sociologia e em filosofia para priorizar áreas como engenharias e veterinária mostra, de novo, que o governo parece desconhecer as leis e a realidade do ensino superior brasileiro”.

O texto ressalta que a decisão sobre criação, expansão, modificação e extinção de cursos de graduação no Brasil é de competência exclusiva das universidades, conforme estabeleceu a Constituição de 1988 regulamentada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Além de mostrarem que a pretendida redução de despesas com esse plano é inócua por serem irrisórios os custos de filosofia e sociologia, as autoras destacam que o Brasil tem problemas sociais gravíssimos que exigem análises e estudos de pesquisadores dessas e de outras áreas das humanidades.

 

Aspectos grotescos

Destaco também outro artigo, que foi publicado ontem à tarde no site de O Estado de S.Paulo, “Governo ameaça, mas não sabe o que fazer com as universidades”, de Marco Aurélio Nogueira, professor de teoria política da Unesp, que ressaltou aspectos grotescos do plano de Weintraub. Entre outros pontos, Nogueira chamou a atenção para a seguinte afirmação de Bolsonaro em outro tuíte.

A função do governo é respeitar o dinheiro do contribuinte, ensinando para os jovens a leitura, escrita e a fazer conta e depois um ofício que gere renda para a pessoa e bem-estar para a família, que melhore a sociedade em sua volta.

“Exclui-se, desde logo, o saber pensar, o saber conviver, o saber apreciar o belo. O pragmatismo é rasteiro”, afirma o pesquisador da Unesp, que também é  coordenador do Núcleo de Estudos e Análises Internacionais da mesma universidade.

“Ao atropelar a autonomia das Universidades e ameaçá-las com cortes e pressão, o governo mostra sua face arbitrária e destemperada”, afirma Nogueira. “Demonstra ignorância e hostilidade a tudo o que pode fazer pensar. Muito provavelmente, não conseguirá ir além da produção de fumaça”, acrescenta.

 

Cortina de fumaça

Na minha opinião, talvez a produção de fumaça seja justamente o que o governo tenha procurado alcançar. Na verdade, uma cortina de fumaça temperada pelo fantasma do “marxismo cultural” e pelo antiintelectualismo atávico do clã Bolsonaro e de uma boa parcela do seu eleitorado.

A comunicação presidencial por meio de mensagens geradoras de polarizações e discussões já se tornou um padrão suficientemente consolidado. E sem deixar qualquer dúvida razoável de que se trata de uma estratégia comunicacional deliberadamente articulada com foco no caos desmobilizador e  na erosão da opinião pública. Inclusive no reforço do repertório argumentativo dos setores mais retrógrados da sociedade, angariando cada vez mais adeptos.

Lamentavelmente, ao submeter a filosofia e a sociologia ao aviltante massacre no celeiro de preconceitos de suas redes sociais, Bolsonaro acabou por fazer outros estragos. A tosca mensagem presidencial de desprestígio dessas áreas em relação ao aprendizado básico voltado para “a leitura, escrita e a fazer conta” é um golpe nas esperanças e nos sonhos de jovens interessados nessas e em outras das humanidades, inclusive nas artes.

“Somos feitos da mesma substância que os sonhos”, escreveu Shakespeare em “A Tempestade”. Não há humanidade sem sonhos. Mas o Brasil está cada vez mais ocupado com pesadelos.

Na imagem acima, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: perfil no Twitter @AbrahamWeint.

Siga Direto da Ciência no Twitter e no Facebook.


Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. Com seu apoio produziremos mais análises e reportagens investigativas. Clique aqui para apoiar.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

6 Comentários

  1. Avelardo Botelho said:

    Eu gostaria de saber do ministro Weintraub se Aristóteles, Platão e Sócrates são de esquerda ou de direita.

  2. Pingback: Sessão especial – Humanidades sob ataque – Jornal Pensar a Educação em Pauta

  3. Aluizio Cabral said:

    O comentário do Leonardo é caracteristico daqueles que não tem consciência da importancia das ciencias humanas para o processo educativo, para a sociedade e por fim daqueles que não tem consciência da condição de escravos, INCONSCIENTE, do próprio mercado a quem defende a submissão.

    • Roger Guimarães said:

      Leonardo Velasco é um exemplo de integrante daquilo que o autor do artigo acima chama de “setores mais retrógrados da sociedade”.

  4. leonardo r velasco said:

    O mimimi sociofilosofico vai loooonge….
    Todas as faculdades de Sociologia, sem exceção, erraram os diagnósticos sobre as eleições. Absolutamente todas as faculdades de Sociologia não admitem seus erros e persistem em continuar a ingerência com recursos federais Publicos.
    A lei do mercado deve ser aplicada a todos.

    • Wagner said:

      Faculdade de Sociologia não cuida de pesquisa de opinião. Estude antes de opinar.

*

Top