Brasil ultrapassa Alemanha e França e é o 6º país em casos de Covid-19

Número de testes por milhão de habitantes nos deixa na 110ª colocação entre 214 nações e territórios.

MAURÍCIO TUFFANI,
Editor
Quarta-feira, 13 de maio de 2020, 15h47.

A notícia ontem, terça-feira (12), das 881 vítimas fatais da Covid-19 nas últimas 24 horas no país teve grande impacto, mas acabou ofuscando o fato de que o Brasil havia ultrapassado a Alemanha e chegava à 7ª posição em número de infectados, destacando-se entre as nações mais afetadas pela pandemia.

No início da tarde desta quarta-feira (13), com 180.737 registros de casos,  deixamos para trás a França e já estamos em 6º lugar, como mostra o gráfico acima, extraído do dashboard da Universidade Johns Hopkins, uma das mais prestigiadas instituições de ensino e pesquisa em ciências da saúde dos Estados Unidos.

Se examinarmos outro painel de acompanhamento da pandemia, o do Worldometers, veremos um outro indicador no qual o Brasil fica muito abaixo dos demais países com mais de 100 mil casos. Trata-se do total de 735.224 testes realizados, o que corresponde a 3.459 testagens por milhão de habitantes (ver quadro a seguir).

Fonte: Worldometrics. Covid-19 Coronavirus Pandemic. Reported Cases and Deaths by Country, Territory, or Conveyance. (Clique na imagem para ampliá-la em outra aba ou janela.)

 

No escuro

Esse ridículo desempenho nos deixa na 110ª colocação nesse quesito entre os 214 países e territórios avaliados. Isso significa que há elevadíssimas ocorrências de subnotificações de contaminações por Covid-19 e também de mortes pela doença.

Mais que isso, esse dado significa também que aqui no Brasil estamos praticamente no escuro, sem ter condições mínimas para avaliar os resultados de medidas adotadas. E muito menos de decidir se são viáveis quaisquer medidas de relaxamento. Em outras palavras, nossa única certeza é a de que o isolamento social é o caminho inevitável.

Na imagem acima, painel da Covid-19 do Center for Systems Science and Engineering (CSSE) da Universidade Johns Hopkins.

Siga Direto da Ciência no Twitter e no Facebook.


Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. Com seu apoio produziremos mais análises e reportagens investigativas. Clique aqui para apoiar.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

*

Top