Respostas dos coordenadores da Capes

Complemento do post Revista de medicina com nota máxima da Capes faz ‘proposta indecente’ para revisor (2/5/2016).

 

Biotecnologia

Agradeço o seu email informando sobre o periódico Oncotarget. Vamos às respostas:

1. Este periódico foi classificado no Qualis 2013 no estrato A1, pois ele possui um fator de impacto superior a 4. Naquele ao houve duas publicações de docentes ligados a programas de pós-graduação em Biotecnologia no Oncotarget.

2. Não, não era do nosso conhecimento qualquer referencia negativa a esse periódico

3. Em 2014 não houve nenhuma publicação de PPG da área, por isso ele não foi listado.

4. Não, nós não tínhamos conhecimento sobre o citado post.

5. Li o post e todos os comentários com muito interesse. Obviamente, a prática do Co-Editor-In-Chief do Oncotarget é no mínimo questionável. Ficando caracterizado que este periódico não possui boas práticas editoriais, ele será reclassificado como Qualis C, categoria que abriga entre outros ” Periódicos que não atendem às boas práticas editoriais – referencial: critérios disponíveis na COPE (publicationethics.org)”.

Atenciosamente,

Odir A. Dellagostin
Coordenação da Área de Biotecnologia
CAPES – Brasília – DF


Ciências Biológicas I

A Classificação divulgada em 2015 foi referente a artigos publicados em 2013 e 2014.
Na lista atual da CB I que está disponível não podem ser feitas alterações.
Neste ano de 2016 no segundo semestre em data a ser definida pela CAPES, procederemos
a uma nova classificação que levará em conta as publicações de 2013, 2014, 2015.
Neste momento aqueles periódicos com perfis inadequados de arbitragem e editoração serão
detectados e retirados da classificação A1 até B5.
Temos adotado este procedimento de identificar periódicos com estas características.
A área tem sido reiteradamente informada da necessidade de evitar publicar em tais periódicos.

Cordialmente,

Prof. Augusto Schrank
Coordenador de Área
Ciências Biológicas I – CB I – CAPES


Ciências Biológicas II

A coordenação da área não respondeu.


Medicina I

O WebQualis, embora esteja sendo usado de maneira inadequada para diferentes finalidades, tem como função única auxiliar no processo de avaliação dos cursos e programas de pós-graduação senso estrito. Como definido nos documentos da área de Medicina 1, a estratificação dos periódicos continuará levando em consideração os valores do FI ou Cites per doc de todos os periódicos nos quais foram veiculados trabalhos apresentados por pesquisadores e alunos dos Programas da Medicina I dentro do Coleta, agora Plataforma Sucupira. As atualizações do Qualis são realizadas anualmente, portanto, antes da avaliação de 2017 serão atualizados e corrigidos todos os estratos que compõem o Qualis das diferentes áreas da CAPES. Não há estratificação pelo Qualis de periódicos cujas publicações não apareceram como produto dos programas de pós-graduação. Em 2014 foram analisados aproximadamente 2300 periódicos pela área de Medicina 1, correspondente á produção acadêmica de 90 programas nos anos de 2013 e 2014. Certamente existem algumas incorreções como a citada pelo editor no seu email que serão obrigatoriamente revisadas para avaliação trienal. Para todas as áreas da CAPES, o Qualis Periódicos está dividido em oito estratos, em ordem decrescente de valor: A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C. A área 15 – Medicina I decidiu pela estratificação como C, todas as publicações veiculadas em periódico excluídos do JCR bem como aqueles publicados em revistas acadêmicas editadas sem qualquer rigor ou prática científica conforme estabelece os critérios definidos pelo Committee on Publication Ethics (COPE) (http://publicationethics.org/). A decisão deveu‐se a um comportamento anômalo destes periódicos no processo de análise de mérito dos trabalhos submetidos e/ou pelo tratamento das citações que compõem o fator de impacto destas revistas.

Desta forma agradeço sua critica e observação sobre este periódico inadequadamente estratificado e esteja certo que a corrigiremos assim que a CAPES abrir o WebQualis para adequações.

Att,

José Gontijo


Medicina II

Obrigado novamente por sua mensagem e comentários.
Em resposta, informo que a classificação de periódicos no sistema Qualis na área Medicina II segue as diretrizes gerais indicadas nos nossos documentos de área (o documento de 2015, referente aos Qualis de 2013 e 2014, foi publicado em 25/09/15). Segundo os critérios lá descritos, periódicos com FI (JCR) ou Cites per Doc (Scimago) igual ou superior a 4,4 estão no estrato A1. De acordo com as fontes que consultamos, o periódico Oncotarget (ISSN 1949-2553) tem FI = 6,6 e, com base nisso, recebeu a classificação A1, tanto em 2013 como em 2014; o periódico aparece no WebQualis nesses dois anos.

A questão principal contida na sua mensagem, sobre periódicos que apresentam alguma restrição no campo editorial, vem sendo intensamente debatida na CAPES. Neste momento, em que estamos preparando a versão 2016 do Qualis, estamos não só discutindo os princípios e as diretrizes sobre a classificação dos periódicos como também debatendo ações e procedimentos que possam evitar a inclusão de periódicos que tenham alguma restrição. Para isso, estamos procurando as fontes, nacionais e internacionais, que disponibilizam informações a respeito de impropriedades em periódicos científicos. As fontes indicadas na sua mensagem, além de outras que tratam do mesmo assunto, serão consultadas e servirão de base para a tomada de decisão sobre periódico(s) que apresenta(am) alguma impropriedade. Tudo isso está sendo objeto de intensa discussão na CAPES, o que ensejará a deliberação sobre como tratar tais periódicos, a exemplo do que aconteceu recentemente (2012/2013) com algumas revistas científicas, inclusive nacionais, que foram excluídas do Qualis. Enfatizo que a agência tomará decisões aplicáveis a todos os comitês, razão pela qual a área Medicina II aguarda uma decisão conjunta. Com base no que for deliberado pela CAPES, a Medicina II tomará as providências cabíveis no periódico citado (Oncotarget) e em outros em situação semelhante.

Como temos o desafio e o dever de bem conduzir essa complexa ação de estratificação dos periódicos científicos, que tem enorme impacto nacional, todas as contribuições chegadas da comunidade serão muito bem-vindas.

Esperando ter atendido a sua solicitação, permanecemos à disposição para continuarmos tratando do assunto.

Cordialmente,

Geraldo Brasileiro Filho
Coordenador Medicina II


<<<< Retornar à coluna Revista de medicina com nota máxima da Capes faz ‘proposta indecente’ para revisor

Top