Sem sistema geoespacial para Covid-19, gestão Doria ignora acervo da Emplasa

Sistemas georreferenciados e informações estratégicas estão indisponíveis desde o início da extinção da estatal.

JOSÉ ALBERTO GONÇALVES PEREIRA
Segunda-feira, 20 de abril de 2020, 13h45.

Enquanto na cidade de São Paulo, epicentro da pandemia no Brasil, a Covid-19 avança do centro expandido para a periferia e o interior do estado, permanece inoperante um valioso arsenal de mapas e sistemas de informações geoespaciais da Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa), que está em processo de extinção desde o ano passado. O governo do estado de São Paulo, sob o comando de João Doria (PSDB), não está utilizando este arsenal para fortalecer a retaguarda de sua estratégia de prevenção, monitoramento e combate à pandemia causada pelo Sars-CoV-2, o novo coronavírus.

Os sistemas da estatal contêm cerca de 800 bases de dados, como um mapeamento de favelas, cortiços e outros tipos de assentamentos precários nas regiões metropolitanas do estado de São Paulo realizado em 2018 como parte das ações do SIM Habitação, desenvolvido pela Emplasa junto com a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), agências metropolitanas e prefeituras. Foram identificados e georreferenciados, por exemplo, em torno de dez mil assentamentos precários, incluindo favelas, e centenas de milhares de imóveis na Grande São Paulo e 500 áreas precárias e cerca de 150 mil imóveis na Baixada Santista.

O SIM Habitação é um dos braços do Sistema de Informações Metropolitanas (SIM), que deixou de ser atualizado no início de outubro de 2019. Dos 135 profissionais existentes em agosto passado, hoje a empresa conta com pouco mais de 20 funcionários, sendo dois na área de tecnologia da informação, um no geoprocessamento (que produz mapas em ambiente digital) e os demais nos setores de documentação, recursos humanos e finanças.

 

Desmantelamento

Outros serviços foram removidos do portal da estatal no início de outubro de 2019 e também deixaram de ser atualizados. O artigo 2º da Lei Estadual 17.056/2019, que autorizou o governo a extinguir a Emplasa, determina a continuidade das atividades públicas da estatal depois de extinta.

Conforme reportagem publicada por Direto da Ciência em 16 de março, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) questionou a Secretaria de Governo (SG) sobre o desmantelamento dos sistemas cartográficos e geoespaciais e acervos técnico e bibliográfico da Emplasa. O prazo concedido para a SG respondê-lo expiraria em 18 de março, mas foi estendido até 30 de abril em virtude da pandemia de Covid-19, seguindo resolução do MPSP.

 

Para sair do escuro

Especialistas em biociências, estatísticas, geografia, geoprocessamento, planejamento urbano, geografia e estatísticas e saúde pública consultados pela reportagem mostraram-se surpresos com a ausência de uma plataforma web com informações georreferenciadas para orientar gestores públicos nas ações de prevenção, monitoramento e contenção da pandemia. Bahia e Goiás lançaram recentemente suas plataformas web para o monitoramento georreferenciado da Covid-19.

Segundo uma fonte familiarizada com o funcionamento da Emplasa que pediu para não ser identificada, o desenvolvimento e a operação da plataforma web demandaria equipe técnica com oito a dez analistas de sistema, programadores, geógrafos e cartógrafos mais alguns profissionais de planejamento urbano para fazer a ponte entre os técnicos e provedores de dados e clientes das informações (gestores públicos, universidades, empresas e organizações da sociedade civil). Os primeiros mapas resultantes do cruzamento das camadas de dados já poderiam ser produzidos e utilizados pelos gestores da crise sanitária nos primeiros 15 dias de trabalho da equipe, que precisaria de um total de 30 a 40 dias para implantar a plataforma web.

A opção mais rápida seria a contratação temporária e emergencial de profissionais demitidos da Emplasa no processo de sua extinção, também aproveitando servidores e computadores com elevada capacidade de processamento no Datacenter da empresa. Outra alternativa seria aparelhar o Instituto Geográfico e Cartográfico (IGC) para operar os sistemas da Emplasa, que incluem softwares complexos, como o de banco de dados da Oracle. O governo paulista transferiu os sistemas geoespaciais e a cartografia da Emplasa ao IGC, mas não o estruturou para gerenciá-los, uma vez que o instituto possui apenas cerca de dez funcionários e não foi capacitado para assumir as atribuições da estatal.

 

Áreas precárias

“Como médico, causa-me enorme estranhamento a inexistência de uma plataforma geoespacializada contendo essas informações para o estado de São Paulo, a exemplo das plataformas já disponíveis para Bahia e Goiás”, observa o vereador Gilberto Natalini (PV), coordenador do Comitê Civil contra o Coronavírus da Câmara Municipal de São Paulo. “Muitas vidas poderiam ser salvas nesse esforço coletivo para desenvolver e alimentar a plataforma”, afirma Natalini.

“É necessário que o governo recontrate emergencialmente especialistas que trabalhavam na Emplasa para colocar esses sistemas em funcionamento o mais rapidamente possível para a administração estadual enfrentar a pandemia com uma retaguarda melhor aparelhada”, recomenda Nabil Bonduki, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP) e especialista em habitação e planejamento urbano.

Bonduki considera o mapeamento de áreas precárias produzido pela Emplasa “importante para montar uma estratégia para enfrentar o coronavírus nas favelas, onde o risco de contágio é ainda maior, devido à alta densidade populacional e precariedade nas condições de habitação e saneamento”.

 

Sobrepor mapas

A plataforma poderia sobrepor mapas com posições de hospitais, informando disponibilidade de leitos, UTIs e respiradores, e os pontos de ocorrência da doença, além de correlacionar estrutura urbana e disseminação da pandemia, sugere o professor Marcos Buckeridge, diretor do Instituto de Biociências (IB/USP). Ele também coordena o programa USP Cidades Globais no Instituto de Estudos Avançados (IEA/USP) e é um dos seis membros do grupo de trabalho Sars-Cov-2 USP, estabelecido pelo reitor Vahan Agopyan em 4 de março último.

“Ter uma base georreferenciada para acesso público seria algo fantástico e ajudaria bastante gestores públicos e pesquisadores, ainda mais se fosse atualizada em tempo real”, comenta Paulo Guimarães Júnior, professor de ecologia do IB/USP. Ele coordena um grupo de 21 pesquisadores de 14 instituições acadêmicas no âmbito do Observatório Covid-19 BR, que produziu seis relatórios sobre a propagação da doença em função dos fluxos rodoviário e aéreo entre cidades e regiões do país. Além do Centro de Coordenação das Operações do Comando Conjunto do Sudeste, que coordena as ações das Forças Armadas contra a doença, os relatórios subsidiam a tomada de decisões do governo paulista sobre a Covid-19.

 

Iniciativa da Unesp

Na ausência de uma plataforma web georreferenciada com interfaces pública e restrita a gestores da pandemia, a administração estadual paulista tem considerado estudos como o do Observatório Covid-19 BR e os elaborados pelo Radar Covid-19, iniciativa multidisciplinar de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) dos campi de Presidente Prudente (cartografia, geografia, matemática e computação) e Botucatu (medicina). O projeto utiliza informações da Secretaria Estadual de Saúde e minera dados do Twitter e de rumores sobre a disseminação do Sars-CoV-2 para apontar tendências sobre a evolução da doença.

O geógrafo Christovam Barcellos da Fiocruz sugere quatros grupos de indicadores para uma eventual plataforma Covid-19 SP: 1) dados primários da pandemia, como casos e óbitos confirmados e suspeitos, taxa de letalidade, testes e internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG); 2) serviços de saúde, tais como hospitais, leitos e UTIs totais e disponíveis para Covid-19 e EPIs; 3) mobilidade e isolamento social, como fluxos aéreo, ferroviário, hidroviário, metroviário e rodoviário entre cidades e dentro das cidades e o uso de celulares para monitorar aglomerações; 4) indicadores econômicos e socioambientais, incluindo dados sobre densidade populacional, faixa etária, uso e ocupação do solo e informações sobre populações vulneráveis.

“Sem uma plataforma comum, a tendência é que grupos diversos desenvolvam suas próprias plataformas nos estados”, diz Barcellos. que faz um alerta: “É necessário um cardápio comum de indicadores para as plataformas e sua padronização para facilitar comparações.”

 

O que diz o governo

A reportagem questionou o governo paulista sobre a não utilização dos sistemas geoespaciais e equipamentos da Emplasa para desenvolver uma plataforma web de informações georreferenciadas sobre a Covid-19 com interfaces pública e restrita a gestores da pandemia.

Sem comentar as perguntas específicas sobre a Emplasa, a assessoria de imprensa da Secretaria de Governo (SG) informou que a administração estadual desenvolveu uma plataforma Covid-19. Mas não esclareceu se a plataforma é georreferenciada, nem que bases de dados contém e se há cruzamentos de informações por geoprocessamento. A SG diz que ela ainda não é publica. “Estão fazendo os últimos ajustes para colocá-la online. Por enquanto, ela é de uso interno dos comitês extraordinários de combate ao coronavírus”, informa a pasta, que menciona as seguintes ferramentas da plataforma:

– Sistema de Monitoramento Inteligente de São Paulo (Simi), operado em parceria com as operadoras Vivo, Claro, Oi e Tim para medir a adesão à quarentena por meio dos sinais de celular;

– monitoramento das rodovias estaduais com os sistemas já existentes (sem detalhar que sistemas são estes);

– estatísticas da doença monitoradas pelo Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD) e Centro de Contingência do Coronavírus, incluindo dados sobre leitos hospitalares e laboratórios para testes; e

– estatísticas e informações estratégicas da pandemia no mundo, oferecidas pela consultoria Deloitte Brasil.

 

Projetos para Covid-19 com geotecnologias

Covid Goiás UFG – Monitora a pandemia nos 246 municípios do estado por meio de mapas e gráficos, contendo dados georreferenciados da área das cidades, número de habitantes, densidade populacional, casos confirmados, óbitos e projeções sobre a evolução do contágio no estado. Foi desenvolvida pelo Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento da Universidade Federal de Goiás (LAPIG/UFG), parceiro da iniciativa MapBiomas. Mais informações podem ser consultadas na reportagem publicada por Direto da Ciência sobre o projeto.

MonitoraCovid-19 – Sistema desenvolvido pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (ICICT/Fiocruz) para agrupar e cruzar dados sobre o novo coronavírus no Brasil e no mundo. A partir de gráficos e mapas, a ferramenta online permite monitorar os casos de Covid-19, projetar cenários para sua evolução em estados e municípios brasileiros e efetuar comparações com países em que a pandemia encontra-se em estágios mais avançados.

Observatório Covid-19 BR – Sítio com códigos de fonte aberta que possibita acompanhar o estado atual da epidemia de Covid-19 no Brasil, incluindo análises estatísticas e previsões elaboradas por um grupo de aproximadamente 40 pesquisadores de 21 universidades e institutos de pesquisa.

Plataforma Covid-19 do Pará – Iniciativa desenvolvida para o monitoramento da Covid-19 no Pará pela Solved – Soluções em Geoinformação, empresa de tecnologia especializada em espacialização de dados por geoprocessamento. A Solved integra a coordenação do tema transversal “zonas costeiras” na iniciativa MapBiomas.

Portal Bahia Covid-19 – Plataforma com espacialização dos casos da doença na Bahia, assim como dos leitos hospitalares e UTIs por cidade e curvas de progressão do contágio para cenários mais e menos restritivos de circulação. Ela foi construída por pesquisadores das Universidades Estaduais de Feira de Santana (UEFS) e Santa Cruz (UESC) e Federal da Bahia em parceria com a startup Geodatin, parceira da iniciativa MapBiomas. Para saber mais sobre o projeto, veja reportagem publicada por Direto da Ciência sobre a iniciativa.

Radar Covid-19 – Equipe multidisciplinar de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) nos campi de Presidente Prudente (departamentos de cartografia, geografia e matemática e computação) e Botucatu (Faculdade de Medicina). O projeto utiliza informações da Secretaria Estadual de Saúde e minera dados do Twitter e de rumores sobre a disseminação do Sars-CoV-2 para apontar tendências sobre a evolução da doença.

Na imagem acima, Viaduto do Chá, em São Paulo, durante a quarentena. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil.

Siga Direto da Ciência no Twitter e no Facebook.


Você acha importante o trabalho deste site?

Independência e dedicação têm custo. Com seu apoio produziremos mais análises e reportagens investigativas. Clique aqui para apoiar.


Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução de conteúdos de Direto da Ciência.
Clique aqui para saber como divulgar.

2 Comentários

  1. Luis Otávio Calagian said:

    Fundamental esta questão, parabéns pela matéria. O tamanho do equívoco da destruição das retaguardas em política pública se tornam evidentes nos momentos de crise.
    Enquanto a cidade de São Paulo avançou na espacialização de dados, através do Geosampa, o GESP fez questão de jogar as RM e a Macrometrópole de volta à década de 1960, antes do CODEGRAN e do GEGRAN…lamentável esse raciocínio do estado mínimo.

  2. Ivan Carlos Maglio said:

    Cada vez fica mais claro o erro de desmontarem essa inteligência espacial. Agora precisamos recompor isso rapidamente e a sofrer uma quantidade de erros incríveis.
    Que falta faz a o conhecimento técnico acumulado da Emplasa sobre as regiões metropolitanas e a macrometropole Paulista. Se não controlarmos os fluxos de transporte não essenciais na Macrometropole paulista com seus 30 milhões de habitantes, num estado com essa densidade desbalanceada, o vírus vai se expandir para a Baixada Santista, Campinas, Sorocaba e São José dos Campos.
    Por exemplo, urge o GESP tomar medidas no sentido de redução de fluxos de viagens desnecessárias para controlar a propagação da doença para a Macrometropole ( raio de 150 km de SP) e para o interior
    Pra quem ainda não sabe a EMPLASA foi esvaziada pelo governador do Estado de São Paulo sem colocar essa base de conhecimento em outro órgão. Foi dissolvido em vários órgãos! Parabens pela excelente matéria

Deixe uma resposta para Luis Otávio Calagian Cancelar resposta

*

Top